Testes Avançados em Sistemas de Injeção Eletrônica

Toda vez que o amigo reparador se depara com um erro incomum no sistema de injeção, muitas vezes se vê obrigado a checar o sistema inteiro, sensores, atuadores, não raramente trocando peças desnecessariamente, tudo isso muitas vezes para testar a Unidade de Comando Eletrônico (UCE ou ECU) para descobrir se terá que fazer sua troca ou seu reparo.

Mas se o problema pode ser a UCE, ao invés de ficar checando sensores e atuadores para a um diagnóstico da UCE, não seria mais fácil e inteligente testar diretamente a UCE? É aí que entra um desconhecido da grande maioria dos reparadores, e que pode ajudar bastante nessa tarefa: o simulador para UCEs. Esse equipamento, basicamente explicando, simula o veículo no qual UCE seria conectada.

O que muitos não sabem, é que apesar de o equipamento ser popular entre os profissionais que praticam o conserto eletrônico dos circuitos internos da UCE, o simulador para UCEs também pode ser bastante útil para o profissional reparador em sistemas de injeção eletrônica, principalmente para  testes mais avançados, onde é necessário observar a UCE ou um evento específico sem gastar muito tempo ou até danificar o veículo.

O simulador para UCEs também minimiza riscos, uma vez que ambiente de testes fica restrito a sua bancada, como por exemplo, em um veículo com uma bobina queimada, o reparador mais desatento pode substituir a bobina por uma nova sem testar a UCE, e se surpreender com a queima da nova bobina devido a um curto no drive de acionamento de bobina da UCE. Tal situação não aconteceria se a UCE fosse testada utilizando um simulador para UCEs.

Além de simular os sensores da injeção eletrônica e de testar os sinais de atuadores, o simulador pode muitas vezes ser utilizado em conjunto com um ou mais sistemas, como quando se tem necessidade de conectar uma UCE aos demais sistemas para testes, podendo conectar o imobilizador, o Body Computer (BC), a BSI ou mesmo Corpo de Borboleta e Pedal Eletrônico. O reparador pode também utilizar o simulador  para realizar testes no próprio veiculo, substituindo um sensor avariado, ou ainda no auxilio na manutenção do sistema, como por exemplo, gerando um sinal de rotação para ser injetado em um veículo onde o reparador esteja desconfiado da regularidade do sinal.

Simulador ECUPROG
Simulador ECUPROG

 

Para fins de teste, avaliamos neste artigo o simulador ECUPROG. Trata-se de um simulador digital de preço competitivo de boa versatilidade. Durante o teste, foram testados mais de 40 módulos de fabricantes diversos, sendo que ao final do teste todos funcionaram dentro do esperado em bancada. O que chama a atenção do equipamento é a possibilidade de funcionar UCEs imobilizadas Volkswagen, Audi e Seat sem a necessidade de desimobilizá-las. Com esse recurso você pode, por exemplo, rodar centrais AVI, AVP, 4BV e 4GV diretamente no simulador sem se preocupar com imobilizador.

 

Vantagens no uso do simulador no diagnostico

Vantagens:

  • Versátil: pois simula diversos sistemas de automóveis em um único sistema
  • Seguro: evita a queima ou desgaste de peças do veículo
  • Rápido: O reparador pode confeccionar cabos de teste específicos para a central, e quando precisar pode testar um módulo em poucos minutos.
  • Prático: Como não precisa do veículo, é possível diagnosticar a UCE na bancada
Desvantagem:
  • Imobilizador: Em algumas situações, em módulos imobilizados, é necessário montar um chicote com imobilizador e transponder, ou mesmo desimobilizar o módulo com procedimentos de ressete ou decode do módulo para que o mesmo possa funcionar em bancada. Essa desvantagem pode ser resolvida se o profissional fizer um curso na área de imobilizadores também.